As 7 igrejas do Apocalipse

As 7 igrejas do Apocalipse — Quando se lê os capítulos dois e três do último livro da Bíblia (Apocalipse — Revelação), muitas perguntas podem surgir sobre porque Deus escolheu às sete igrejas e na ordem em que Ele as dirigiu por meio de Seu servo João para escrever. Os leitores leigos cristãos normalmente tentam entender estas cartas espiritualmente, espiritualiza e cria confusão, pois, não sabem que as “sete igrejas” eram igrejas históricas literais na Ásia.

As 7 igrejas do Apocalipse

As igrejas selecionadas para que João escrevesse eram igrejas bem conhecidas em seus dias. Sua seleção única parece indicar que elas foram escolhidas especificamente devido ao significado dos seus nomes. Essas igrejas representam tipos e condições de todas as gerações de igrejas vindouras.

Este fato pode ser afirmado com base em várias condições. Primeiro, havia várias igrejas naquela região e só foram selecionadas as 7 igrejas do Apocalipse. O fato de o Espírito Santo falar a essas igrejas, mostram-nos que Deus as escolheu para representar a História da Igreja e dos períodos existentes.

As 7 igrejas do Apocalipse

Propósitos das 7 igrejas do Apocalipse

Faremos aqui uma apresentação para mostrar a comparação de cada nome da igreja, de cada igreja listada, para corresponder à visão da igreja para a qual foi nomeada. Em toda Escritura, os nomes são de muita importância. No plano de Deus, quando o nome de alguém não se encaixava em sua jornada, Deus o renomeava, como no caso de Abrão para Abraão.

Abrão significa “pai exaltado”, ao passo que Abraão significa “pai de uma multidão”. Deus sabia que Abraão representaria mais do que apenas um “pai exaltado” da história, mas que ele se tornaria o Pai da História. O propósito desta ilustração é mostrar que, o que um nome representa é de extrema importância, quando se trata da Escritura Sagrada.

Igreja de Éfeso

As 7 igrejas do Apocalipse.  A palavra Esphesus significa “Primeiro Amor” e está diretamente ligada à Igreja Primitiva. A Igreja de Esphesus representa o período de Pentecostes até o ano 100 d.C. Este foi o maior período de desenvolvimento da História da Igreja que conhecemos hoje.

Esta carta é também representada pela Parábola do Semeador de Mateus 13. Trata-se da época da semeadura da Palavra de Deus, da organização e Evangelização, é a igreja do primeiro amor.

Antes de olhar para o período em que ela representa, devemos olhar para a própria Igreja. Éfeso era a quarta maior cidade do império quando Paulo visitou a cidade e ensinou o povo de Cristo. Estava ligada por importantes rotas comerciais.

Até mesmo o governador romano residia nesta cidade, pois estava privilegiadamente localizada próximo do porto marítimo.  A riqueza desta cidade consistia na atração dos turistas que visitavam o lendário templo. O problema, porém, nesta cidade foi que, embora atendesse às necessidades tanto de lucro quanto de orgulho do povo, falhou na entrega das necessidades mais profundas da população.

A cidade estava cheia de feitiçaria e idolatria. Paulo viajou e visitou a cidade e ensinou às pessoas o verdadeiro significado do relacionamento e da igreja como um organismo vivo. Este foi um grande começo e início da Igreja Primitiva, vista como um Corpo da Igreja real e viva. Seu amor por Deus cresceu, assim como a Igreja, enquanto a Religião Institucional se tornou um grande sucesso em Éfeso

Ao olhar para a História da Igreja Primitiva, as pessoas eram corruptas em seus caminhos e pensavam antes que o conhecimento lhes fosse dado em Éfeso. Uma vez que a igreja nesta cidade começou a crescer, ela cresceu a partir de seu amor por Cristo.

Eles eram fiéis ao Senhor e não toleravam mais a maldade. Mesmo quando passaram por muitas dificuldades, eles não se cansaram. No entanto, um problema começou a surgir dentro desta igreja, eles começaram a estabelecer a igreja e o “institucionalismo” conforme sentiram a necessidade de manter a fé e servir a Deus.

O institucionalismo no decorrer do tempo tornou-se a importância de seus corações e não o amor de Deus. Esta igreja estava fazendo tudo certo, tudo o que podia para que permanecesse fiel e que a maldade não fosse tolerada, com uma exceção. As pessoas esqueceram porque eles estavam mantendo as “regras” e sua fé. A igreja tinha se tornado religiosa, mas não era espiritual. Esqueceram o primeiro amor.

No início da conversão as pessoas ficam entusiasmadas e quer compartilhar a alegria do primeiro amor com o mundo. À medida que o tempo passa, elas às vezes valorizam mais a instituição e esquecem seu primeiro amor, Cristo. A igreja primitiva não apenas representa a história inicial da Igreja, mas também a vida inicial de um novo cristão.

Igreja de Esmirna

As 7 igrejas do Apocalipse – A segunda carta de João foi dirigida à Igreja de Esmirna e representa a perseguição que os cristãos sofrem. O nome Esmirna significa mirra. O povo de Esmirna era humilde e bastante pobre. Esta não tinha riquezas como na Igreja de Éfeso.

Embora Esmirna fosse uma grande e importante cidade portuária, as pessoas que viviam nela eram fortemente tributadas pelo governo romano. Os novos crentes sofreram muitas perseguições durante seu estágio inicial de crescimento cristão, mas nunca perderam a fé na promessa que lhes fora dada pelo Senhor. Houve ataques satânicos ao povo e mesmo assim eles nunca desistiram de Jesus e sempre mantiveram suas esperanças.

Esta Igreja foi duramente atacada durante o segundo e terceiro século do seu desenvolvimento, os cristãos foram atacados assim como a Igreja asiática de Esmirna. Durante este período da História, muitos governantes se levantaram e mataram muitos cristãos, na tentativa de acabar com a Igreja.

Mas os crentes se mantiveram firmes em sua fé durante este período de 200 anos, honraram a Palavra de Deus e o seu Senhor, Jesus Cristo. Muitos foram presos e mortos apenas pela pura menção da Palavra e do nome de Jesus.

Igreja de Pérgamo

As 7 igrejas do Apocalipse  – A terceira carta escrita foi para a Igreja de Pérgamo. A igreja de Pérgamo representa o período corrupto da história da Igreja. Pérgamo era, na verdade, uma cidade muito religiosa na Ásia. A cidade ergueu um templo para Zeus, o deus da cura, que era adorado na forma de uma serpente. Pergamon era bem conhecido por sua Universidade Médica e Biblioteca, que abrigava mais de duzentos mil volumes de livros.

Muitos falsos mestres estavam invadindo a igreja de Pérgamo. A falsa doutrina estava se tornando a doutrina aceita e o Senhor ordenou que eles não seguissem a Doutrina de Balaão, mas se arrependessem. Lentamente a Igreja de Pérgamo foi se afastando da palavra e se tornou um símbolo de seu tempo.

Sob a influência do Imperador Constantino, ser “politicamente correto cristão”, era uma realidade. A perseguição e a morte física já não mais existia, todavia, a morte espiritual era gradualmente estabelecida a partir da Igreja Católica Romana.

Igreja de Tiatira

As 7 igrejas do Apocalipse – Para a Igreja de Tiatira muito é dito, considerando que esta era uma cidade e uma igreja muito pequenas. Tiatira era uma cidade no vale do rio Lico, embora não seja uma cidade magnífica, possui inúmeras associações comerciais. A cidade possuía grandes riquezas oriundas da extração de seus recursos naturais.

A igreja judaica do Novo Testamento de Tiatira foi elogiada por suas obras de caridade, serviço e fé. Também foi criticada por seguir as obras de Jezabel. Jezabel, mulher do perverso rei Acabe, casal idolatra adoradores do falso deus Baal.  Ela é considerada hoje como a mulher mais perversa da Bíblia.

A Igreja de Tiatira permitiu que “Jezabel” administrasse e controlasse esta igreja, pois, é notório que a idolatria sempre leva ao adultério. Esta igreja tinha realmente ido mal, mas continuou a praticar suas obras como se estivessem praticando em justiça.

O povo de Tiatira estava praticamente cego espiritualmente, entendiam estar seguindo a vontade do Senhor. O período que a igreja representa é a idade das trevas na história da igreja. Durante esses mil anos, o sistema da igreja foi desde os primórdios da Igreja Romana em várias visões diferentes do Evangelho. Muitas doutrinas foram adicionadas à igreja, como a assunção da virgem Maria, etc. Mesmo não sendo Doutrina Bíblica, mas tornou-se conhecido e ainda é hoje considerado palavra de Deus.

Adicionar falsas doutrinas à Palavra de Deus tornou-se uma prática rotineira durante o período da era das trevas e o arrependimento estava se tornando cada vez menor. Isso para um cristão no mundo de hoje, representa independentemente de quão bom e quantas ações maravilhosas uma pessoa faz para Deus, deve-se lembrar que se ele pecar, ela deve se arrepender.

Muitos cristãos são advertidos a se arrependerem, mas continuam a ignorar a Deus, assim como Jezabel foi avisada e depois jogada aos cães. O pecado não afeta apenas uma pessoa, mas se espalha como uma doença, quando entra na igreja a queda é inevitável.

Igreja de Sardes

As 7 igrejas do Apocalipse – A quinta carta foi escrita a Igreja de Sardes, uma igreja possuidora de muitas riquezas. Esta igreja do lado de fora parecia incrivelmente rica espiritualmente, enquanto por dentro estava morrendo. O Senhor disse despertai! Tirem os olhos da riqueza e do mundo e ponham os olhos em Deus.

Esta igreja representa o período de reforma na História da Igreja. Por volta do século XVI, alguns reformadores como Martinho Lutero e outros homens de coragem começaram a despertar e a ver as impurezas na igreja.

Lutero fixou suas 95 teses (95 erros da Igreja romana) na porta da igreja de Wittenberg, na Alemanha. Ele literalmente não tinha intenção de se livrar da igreja, queria apenas acordá-la e reformá-la. Surgiu daí as Igrejas reformadas, metodistas, luteranas e algumas outras que se desenvolveram a partir deste período da história.

Igreja de Filadélfia

As 7 igrejas do Apocalipse — Filadélfia, a igreja mais reverenciada e a mais comentada na comunidade religiosa. Esta igreja era leal a Deus e via as coisas conforme a vontade de Dele. Filadélfia guardou a palavra de Deus e o testemunho de Cristo. Ela representa o amor fraterno, pois após a reforma foi leal a Deus em todo o mundo e restaurou a adoração a Deus. Eliminou os dogmas e inseriu as Doutrinas como prática de fé nos cultos.

Igreja de Laodiceia

A Última Carta é endereçada à igreja de Laodiceia. Esta cidade era conhecida por sua riqueza. O fato de ajudar na reconstrução de Roma mostra a quão rica era a cidade. Eles ganharam riqueza na indústria de lã negra, têxtil e bancária. Esta igreja era a mais desprezível de todas.

Eles estavam indecisos em suas crenças, nem felizes, animados ou tristes por conhecer a Cristo. Parece a igreja ideal, boa e rica, mas a espiritualidade era fria. Eles não tinham utilidade espiritual real, nem na cura ou mesmo no ensino.

Jesus comentou que eles estavam nus, cegos e precisando de roupas espirituais, embora, eram ricos em roupas físicas. Tinham uma escola bem conhecida em oftalmologia. Cristo sabia que eles não continham nada por dentro que pudessem mostrar por fora.

Esta igreja também representa a igreja da apostásia do fim dos tempos e entrou na história por volta do início de 1900. Muitas igrejas surgiram e começaram a crescer fortemente no final de 1800 e início de 1900. As pessoas começaram a valorizar as obras mais do que a salvação.

Os cultos nesta igreja são centrados no homem e não em Deus. Busca de bem-estar, riquezas aqui na terra com desprezo aos bens celestiais. Sem relacionamento real com o Senhor, sem Cristo como sua armadura.

Satanás pode atacar, entrar e sair como fez e tem conduzido durante esta era da igreja com bastante frequência. Jesus ficou do lado de fora desta igreja batendo e querendo entrar. Os crentes cantam sobre Ele, falam e ensinam sobre Ele, mas não O conhecem.

Hoje, muitas pessoas se levantam no domingo de manhã, se arrumam, vão à igreja, cantam e aprendem, mas não conhecem Jesus. Eles passam pelos movimentos e louvores, mas nunca permitem que Aquele de quem falam entre em seus corações.

Esta igreja está longe de Deus, mas afirmam estar com ele. No mundo atual, à medida que o tempo passa, as pessoas afastam-se da verdade e de Deus. No entanto, elas afirmam estar espiritualmente próximas, elas não são nem quentes, nem frias porque não conhecem o verdadeiro Cristo.

As 7 igrejas do Apocalipse

Conexão entre as 7 cartas do Apocalipse e as 7 Parábolas de Mateus 13

Éfeso — As 7 igrejas do Apocalipse

Carta de Éfeso Apocalipse 2:1-7
Parábola do Semeador — Mateus 13:1-9
Significa: Desejada e corresponde o período do Pentecostes a até o ano 100 d.C.
Época da semeadura da palavra de Deus, organização da Igreja e evangelização, Primeiro Amor.

Esmirna

Carta de Esmirna — Ap. 2:8-11
Parábola do joio de do trigo — Mateus 13:24-30
Significa: Mirra – Vai do Imperador Nero até o ano 300 d.C.
Período das grandes perseguições e dos mártires que morreram covardemente e cruel, mas, não negaram a fé. Foi nesta época, enquanto os homens dormiam, o Diabo semeou o joio no meio do trigo. Leia o Artigo sobre o Joio e o Trigo!

Pérgamo

Carta de Pérgamo — Ap. 2:12-17
Parábola do grão de mostarda — Mateus 13:31-32
Significa: Completamente casada — Ano 300 ao 800 d.C.
Decadência moral, secularismo, aliança mundana e domínio papal é a marca desta igreja. Deus. Representa o triste casamento da igreja de Cristo com o mundo. Cresceu como um grão de mostarda, crescimento e florescimento externo.

Tiatira — As 7 igrejas do Apocalipse

Carta de Tiatira — Ap. 2:18-29
Parábola do fermento — Mateus 13:33-35
Significado: Sacrifício contínuo — Ano 800 a 1517
As 7 cartas do Apocalipse são importantes, no entanto, esta é a mais assustadora. Época de intensa apostásia, corrupção doutrinária. A igreja antes perseguida, agora sob o domínio papal, perseguia e matava em nome de Deus.
Foi realmente a “obra-prima de Satanás na terra”. A nomenclatura dada a este período “Idade das Trevas”, retrata de verdade e de fato, o agir malévolo do papado que seca tudo o que toca. É o fermento levedando e crescendo a massa clerical.

Sardes

Carta de Sardes — Ap. 3:1-6
Parábola do tesouro escondido — Mateus 13:44
Significa: Aqueles que escapam — Igreja da Reforma.
Momento em que a mão de Deus move a história para ter um desfecho segundo os seus propósitos. Deus intervém, quebra o poder papal e tira a igreja das trevas, trazendo-a para a luz. A Bíblia, o tesouro que estava escondido, agora brilha e revela o Cristo para brilhar no mundo.

Filadélfia — As 7 igrejas do Apocalipse

Carta de Filadélfia — Ap. 3:7-13
Parábola A Pérola — Mateus 13:45-46
Significado: Amor Fraternal — Florescimento da Igreja pós-Reforma.
Trata-se de um breve período em que a Igreja se esforça para manter os princípios bíblicos e a pureza da igreja original. A marca desta igreja é o temor de Deus, a guarda da palavra, e o não negar o nome de Jesus. Pelo fato de ter pouca força, esquece que Jesus é a “Pérola” de grande valor, ao invés de vender tudo para comprá-la; deixa o de lado para comprar tudo aqui na terra. O resultado disto, é a ascensão da igreja a seguir.

Laodicéia

Carta de Laodicéia — Ap. 3:14-22
Parábola A Rede — Mateus 13:47-50 — Igreja dos últimos dias.
Significa: Morna — Igreja dos últimos dias.
Entre as 7 cartas do Apocalipse, esta é a igreja de nossos dias, haja vista, ter passado todas as outras. Cada igreja representa um período, a de Laodicéia é a Igreja rica, que busca o bem-estar e a vida abastada aqui na terra.

A marca desta igreja é o individualismo, egoísmo e a avareza. Pois, o que importa é o enriquecimento rápido a qualquer custo, principalmente, dos pastores e líderes. Por ser morna, provoca náuseas em Jesus, que está a ponto de vomitá-la. A tragédia é que o dono da igreja “Jesus”, está do lado de fora batendo querendo entrar, pois, apesar das práticas reprovadas, Ele ainda ama esta igreja, chamando-a para o arrependimento.
A Parábola da rede está intrinsecamente ligada a igreja morna de nossos dias. A rede está próxima de ser lançada, e a separação entre os bons e os maus está chegando. Prepare-se!

Considerações Finais sobre As 7 igrejas do Apocalipse

Estas cartas foram escritas para as 7 igrejas do Apocalipse, foram endereçadas para pessoas racionais e inteligentes, não foram escritas para animais sem entendimento. Por isso adverte, quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz as Igrejas.

Elas nos oferecem como crentes, esperança, assim como Cristo ofereceu a vida eterna a cada igreja na Ásia que O obedeceu e O seguiu. Cada Igreja recebeu uma recompensa. Como cristãos, se seguirmos e mantivermos a verdade, seremos recompensados ​​cada um com o que foi oferecido a cada igreja, e reinaremos com Cristo durante o Milênio. Cada carta da igreja tem uma mensagem para cada crente e aquele que ouvir será abençoado.

Youtube

Em Resumo: As 7 igrejas do Apocalipse não apenas representam sete eras da História da Igreja, mas retrata de fato a verdade da igreja da Ásia e o que acontecia com cada uma delas, conforme eram endereçadas.

ADILSON CARDOSO

Adilson Cardoso: Teólogo, Filósofo — Professor de Filosofia, Teologia, Hebraico e Grego.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.