Reforma Protestante

Reforma Protestante

Reforma Protestante – Às vezes, ficamos perplexos ao saber que a Igreja amada de Cristo, aquela que Jesus morreu por ela, desceu ao mais baixo nível espiritual. E lá, morrendo aos poucos, mergulhou na escuridão do abismo, sendo conhecida e responsabilizada pela mancha deixada pela nomenclatura “período das trevas.

Eis aí a razão de Nietzsche, filósofo alemão, decretar impiedosamente a “morte de Deus”. Deus está morto, gritou Friedrich Nietzsche. Não queremos este Deus, bradou ele. A sombra da religião que assombrou a Europa por longos anos está indo embora. Este Deus cruel e carrasco que julga, condena e pune, está “morto”.

Como entender Nietzsche? Será que ele tinha razão? E você? Caro amigo leitor, aceitaria este Cristo apresentado pela Igreja Romana?  Se estas perguntas afligem a sua alma, amigo leitor, então, você está no lugar certo.

Este Artigo pretende analisar sob as lentes da Teologia o período que antecedeu a reforma protestante, também, discorrer sobre as causas do declínio da Igreja. Caminharemos desprendidos de interesses pessoais ou ideológicos como o fazem aqueles que avaliam o período com as lentes do catolicismo romano.

Para os leigos em História da Igreja, Martinho Lutero foi um louco que tinha pulsões sexuais e se revoltou contra a igreja porque queria casar. Sob suas lentes, a Reforma Protestante foi um erro. Segundo eles, todas as prisões, torturas e mortes foram necessárias e justificáveis.

Diante de tal cenário e a procura de algo que faça sentido a instalação da reforma. Para evitar que a história se repita e tantas vida sejam ceifadas por fanáticos religiosos.  Para apontar psicopatas e sociopatas com mentes e pensamentos adoecidos por ideologias.  

Este artigo ganha relevância à medida que impele o leitor a embarcar numa jornada de pesquisas que confirmam os abusos e os crimes praticados contra a humanidade. Para espanto de qualquer ser racional, estes desvarios aconteceram em nome de Deus.

O MUNDO ANTES DA REFORMA PROTESTANTE

Erasmo em 1536 retrata aquele período: “Pior século desde Jesus Cristo”

Idade Média: Período das Trevas

Cenário histórico: declínio, desintegração, decadência, adversidade e instabilidade.

Declínio: a sociedade medieval estava num processo de descida rumo ao abismo, não via nada que interrompesse essa queda. A Reforma Protestante não serviu apenas de freio para desacelerar o declínio, mas, também, para reverter e reiniciar a subida.

Desintegração: trata-se de uma sociedade que entrou em decomposição. Perdeu sua unidade e viviam em dois mundos simultâneos. O mundo luxuoso do clero com suas catedrais góticas e o mundo sofrido dos miseráveis.

Decadência: estado do que está começando a se degradar e caminha rapidamente para o fim, para ruina.

Adversidade: desgosto, angustia, aflição, amargura, desprazer, desolação, contratempo. Ah! Caro amigo leitor, não faltam adjetivos para descrever as expectativas e emoções dos viventes desta época.

Instabilidade: incertezas sobre o que aconteceria no amanhã. Ansiedade constante e falta de segurança, agiam com desanimo e melancolia sob os desmandos do papado.

SOFRIMENTO, DOENÇAS, FOME E MORTE

Um desassossego mórbido com sofrimento e morte impregnou a Europa na Idade Média. No inicio do século XIV, a crise agrária era tão intensa, que alguns recorreram ao canibalismo para matar a fome. Cadáveres de criminosos eram tirados das forcas e comidos pelos pobres na Polonia e na Silésia. Thimothy George, Teologia dos Reformadores, página 26.Reforma Protestante

Acrescente-se a tal catástrofe a destruição provocada pela peste bubônica, ou peste negra, que atingiu seu ápice na Inglaterra por volta de 1349 e arrasou pelo menos um terço da população da Europa.

AMBIENTE DE TERROR – TERRA DE NINGUÉM

A palavra “trevas” descreve o período de horror e amplia a visão caótica da época. Uma nuvem escura da religião entristecia e acabava com as esperanças, até mesmo dos mais otimistas.

Pessoas eram alienadas, conduzidas e atormentadas pelo medo da morte e do inferno. Sensação de mal-estar, inquietação profunda e o peso da culpa levavam as pessoas ao flagelo. As marcas do pecado e a falta de dinheiro para pagar indulgências eram motivos para o desespero.

Penitências absurdas eram recorrentes, terminavam com a exaustão do corpo cortado por laminas amarradas nas pontas de pedações de ossos.

Aquele Cristo oferecido pela igreja católica romana não era o Jesus da Bíblia. Era um deus cruel e carrasco, que julgava, condenava e matava. O vazio da alma e a falta de sentido da vida eram parceiros na calada das noites de insônia.

Esta terrível situação atormentava Martinho Lutero, gritava com voz estridente: “onde posso encontrar um Deus gracioso?” Amedrontado e com sensação de culpa sem fim eram motivos para ele torturar seu corpo, mendigando o perdão de Deus.

Terrores noturnos assolavam sua alma, medo de morrer e ter seu destino nas mãos do papa. Pra onde irei? Céu, inferno ou purgatório? Tinha que obedecer aos desmandos e a opressão da igreja para ter favores depois da morte. Ah! que situação, caro amigo leitor! Lutero estava num barco a deriva. Eis a pergunta que não cessava de lhe perturbar e inquietar o coração: “onde encontrar um Deus misericordioso?”

BRILHA UMA LUZ

Foi movido pela angustia e incertezas que Lutero começou a estudar a Bíblia dentro do mosteiro em que ele estava enclausurado. A leitura da Bíblia era proibida aos leigos. Todavia, sendo ele um monge tinha o privilégio de ler sem restrições.Reforma Protestante

A Palavra de Deus é eficaz, diz o autor da carta aos hebreus. Ela não volta vazia, registrou Isaías. Ao ler a carta aos romanos, Martinho Lutero foi tocado fortemente pela Palavra:

“porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: mas o justo viverá pela fé.” Romanos 1:17

Estas palavras penetraram no fundo da alma e ele logo percebeu que seus olhos se abriram. Seus medos, angustias e temores se dissiparam, um novo mundo com novos horizontes se abriram diante da nova descoberta.

Lutero encontrou o sentido mais amplo das palavras de Jesus:

“A fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus”. Romanos 10:17

A primeira coisa que as religiões fazem para manipular e dominar pessoas é proibir a leitura e o estudo da Bíblia. A letra mata é seu jargão preferido. Mantê-las na ignorância e no analfabetismo bíblico é a condição necessária para a alienação, opressão, e, por fim, extorquir seus bens e suas alegrias.

AMBIENTE POLITICO

Os papas possuíam duplo poder, temporal-político e religioso. Com o poder temporal mandava e desmandava nos reis. Cobrava altos impostos para manter a vida luxuosa do clero.

O poder espiritual concedia-lhes plenos poderes nos céus e na terra. Cobrava indulgências em troca de perdão de pecados, também, garantir que o fiel não torrasse no inferno por toda a eternidade.

Lutero declarou que a igreja era o braço direito de Deus e a politica o esquerdo. A única certeza era que a Europa estava explodindo em ódio contra o papado. Ninguém aguentava mais, o mundo clamava por uma Reforma Protestante.

Lutero desferiu palavras fortíssimas contra o papa:

“Denunciou o papa como anticristo, referiu-se à hierarquia da igreja romana como ‘prostituta do diabo’, queimou o tratado inteiro da lei canônica, como também a bula papal que o havia excomungado”. Thimothy George, Teologia dos Reformadores, página 87

Quando se analisa a posição de Lutero sobre o papa, percebe-se que ele foi generoso em face aos outros reformadores. Veja o que diz Wycliffe:

“Ele denunciou os sacerdotes de ladrões, raposas malignas, glutões, demônios, macacos e os curas de rebentos estranhos, não arraigados à vinha da igreja. O papa era o ‘vigário principal do demônio’, e os mosteiros ‘antros de ladrões’, ninho de serpentes, lares de demônios vivos. Thimothy George, Teologia dos Reformadores, página 38

CORRUPÇÃO DO CLERO

Autoridade sacerdotal exagerada, abuso de poder, avareza e acúmulo de riquezas eram apenas alguns desvarios desta época. Na contramão da vida do Cristo bíblico: “Jesus lhe respondeu: “As raposas têm suas tocas e as aves dos céus têm seus ninhos; mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça”. Mateus 8:20

A igreja romana acumulou tanta riqueza que pouco sobrava para os outros suprirem suas necessidades básicas. Ela se tornou a maior latifundiária de terras do planeta. O clero participava e se beneficiava delas para viver uma vida narcisista e maligna. Os clérigos tornaram-se egoístas e indiferentes em face a dor alheia.

Eram grandes privilegiados pelas riquezas que, embora social e legal, no entanto, imoral e desproporcional. Alguns chegavam ao ponto de acumular vários cargos eclesiásticos para arrecadar mais e aumentar suas rendas.

A Simonia (venda de cargos eclesiásticos) era prática comum e rotineira entre os padres. Vendiam para arrecadar e não faltavam compradores, haja vista, ser um negócio rentável e de retorno rápido.

Imoralidade generalizada, embriaguez, imoralidade sexual e glutonaria eram comuns e praticados entre os religiosos

PROVANDO DO PRÓPRIO VENENO

A ganância dos religiosos era tamanha que tiveram de provar do próprio veneno. Ao acumular riquezas e abandonar o povo, criaram seu próprio coveiro. A lógica da vida não falha, os países de primeiro mundo compreenderam isto. Possuem um sistema de distribuição de renda justa para que todos tenham para suprir suas necessidades.

A lógica é a seguinte: se uma parte da sociedade acumula muito e deixa os outros sem nada. Então, quem não tem nada se revolta contra quem tem. As sociedades modernas sofrem com isto, acumulam muitos bens sem poder usufruir deles em paz e segurança. Quem não tem nada rouba, sequestra e mata quem tem.

Martinho Lutero ascendeu o pavio que foi o estopim da Reforma Protestante. Ele quebrou o sistema de arrecadação da igreja ao propagar a ideia de que ninguém mais precisava pagar pelos perdões de pecados. Pagar pelas indulgências não era mais necessário, a salvação vem somente pela fé.

A Reforma Protestante não abalou apenas a unidade da igreja medieval, mas, também detonou os alicerces financeiros e toda estrutura de autoridade e abusos. Quebrou os poderes divinos que os papas reivindicavam ter.

A revolta generalizada do povo abandonado foi inevitável. Protestos e gritos insistentes decretando o fim da igreja corrupta se ouviam em todos os lugares. Todos gritavam em coro e na mesma voz, o mundo clamava por uma Reforma Protestante.

Inquietação social, ódio aos sacerdotes por causa das explorações e extorsões de dinheiro, indiferença com o estado deplorável do povo e a recusa dos padres em fazer alguma coisa para libertar as classes oprimidas. Em decorrência disto, os protestos tornaram-se mais frequentes e mais violentos. Era o começo do fim dos momentos de ouro da igreja corrupta.

CAUSAS

Quais foram as causas que levaram a igreja cair neste abismo?

Primeira causa: Entendimento de que a Igreja criou a Bíblia.

Talvez, este seja o maior e o mais destrutivo erro da Igreja Romana. Este equivoco escancarou as portas para entrada de sucessivos erros teológicos que levou a Igreja de Cristo ao fundo do poço da imoralidade, ganância, corrupção e apostasia.

Se a Bíblia é subordinada a igreja, então, ela perde a autoridade primaria para dar lugar aos desejos obstinados do homem.  Eis aí a razão da tradição católica ganhar lugar de destaque na composição eclesiástica.

A Bíblia orienta e molda o homem de acordo com a vontade soberana de Deus, mas, quando deixada de lado os caprichos humanos afloram e os resultados levam ao egoísmo, egocentrismo, ganância, avareza e, por fim, a depravação total.

Por ser de cunho religioso, apresentaremos os resultados, também, relacionados a fé e a vida eclesiástica dos religiosos. O padre, pastor ou líder, cuja, responsabilidade de conduzir o rebanho, transforma num ambiente de exploração constante.

Este erro da igreja medieval persiste e acompanha uma parte dos próprios protestantes. Protestaram e hoje são passiveis de protestos e repreensão.

CONSEQUÊNCIAS

  • O religioso pensa ser justo e com super poderes, todos os demais são inferiores a ele. Exemplos: a palavra “papa” pai, ou seja, um homem se posicionou como pai da humanidade:

“A ninguém chameis de pai”. Mateus 23:9

  • Pensa ter posição privilegiada ou crédito com Deus. Inclusive, no meio pentecostal usa-se de forma repetida por alguns pregadores o seguinte jargão: “Deus, se tenho crédito contigo…”
  • Sentimento de superioridade: se eu sou superior a você, então, eu posso te julgar e condenar. A sua miséria não me comove no meu luxo. Dois mundos simultâneos aparecem: mundo luxuoso do clero e o da miséria e da fome do povo

Dois textos na carta aos Romanos se cruzam e conflitam entre si quando não entendidos no seu contexto: “…está escrito: Mas o justo viverá pela fé.”
Romanos 1:17

“Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer.” Romanos 3:10

Como entender estes versículos? Podemos entender a luz do contexto de Romanos 1:17. Eis aí o versículo completo:

“Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá pela fé.”
Romanos 1:17

Aqui todo conceito de justiça do homem cai por terra. Romanos 3:10 afirma que não há um justo sequer. Há um nivelamento entre todos, ninguém é superior a ninguém. Nem papa, nem padre, bispo ou pastor, todos nós estamos debaixo do pecado, como afirma o apóstolo Paulo.

Nem os dons trazem superioridade, quem tem dom de cura, também, fica doente. O possuidor do dom de profecia, também, tem pecados ocultos. Nas entrelinhas de Romanos o orgulho cai e a arrogância vai embora.

Então, qual é o sentido de o justo viverá pela fé, se não há um justo sequer?  A resposta é, como humano sou pecador e não sou justo. Como salvo, sou justo porque sou justificado nEle. Sendo justificado não devo mais nada.

Nele, Jesus, repousa todo mérito, poder e justiça. Em nós, paira apenas a submissão a Ele e o reconhecimento de que somos todos iguais.

CONCLUSÃO

A Reforma Protestante levou consigo aquela nuvem negra da religiosidade. No entanto, esta nuvem insiste em voltar para nos aterrorizar. A sutileza da alienação e exploração do povo continua a mesma. Com agravante do uso de instrumentos de propagação de altíssima velocidade, a internet.

Na busca de um alivio para suas mazelas e dores, as massas manipuladas e sofridas. Submetem-se e cedem as tentações das ofertas e promessas de enriquecimento rápido, curas milagrosas e vida fácil.

A igreja precisa voltar urgentemente as suas origens. Todos aqueles que se dizem cristãos, deveriam ler e aplicar o Sermão do Monte proferido com tanto entusiasmo pelo Senhor Jesus. Amar o próximo, dar a outra face, caminhar a segunda milha, orar pelos inimigos. Isto é o mínimo que se espera de uma Igreja que se diz cristã.

O Mundo não precisa de Religião, precisa de Jesus e de seus ensinamentos. Não aceite nada menos que isto, proteste, critique e haja para que os opressores sejam descobertos e denunciados. O silêncio dos bons é combustível para o sucesso dos maus.

Para não alongar muito este Artigo sobre a Reforma Protestante, omitimos os julgamentos, torturas, masmorras e equipamentos que levaram milhares de pessoas a morte.

Eis aqui algumas palavras-chave para serem lembradas: fanatismo religioso, mal-estar, inquietação profunda, ansiedade, peso da culpa, terrores noturnos – insônia, medo da morte e do inferno, excomungado, etc.

Para ampliar seus conhecimentos veja também:

Noventa e cinco Teses de Martinho Lutero


Adilson Cardoso

Professor Adilson Cardoso, Teólogo, Filósofo – Professor de Filosofia, Teologia, Hebraico e Grego.

Quer Aprender Hebraico Grátis? Junte-se a nós no YouTube!

Playlist com todas as aulas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo está protegido

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Consulte nossa página de Política de Privacidade