O Calendário e a cronologia do tempo

O Calendário e a cronologia do Tempo

Calendário em que ano estamos?

Objetivos do estudo: Identificar mudanças no calendário no decorrer do tempo. Saber em que ano estamos. Faz sentido guardar o sábado? Quantos calendários vigentes se observam no mundo atual?

CALENDÁRIO HEBRAICO E O CÁLCULO DO TEMPO

ANO HEBRAICO Israel desenvolveu um calendário lunissolar, [1] fixando todas as festas anuais pela lua nova. O ano sagrado começava com a lua nova do equinócio da primavera, que se tornou o dia primeiro de abide (“nisa”, depois de 600 a.C.).      

Calendário
Calendário judáico

Os judeus modernos usam um calendário “civil”, que começa com a lua nova do equinócio do outono, dia primeiro de tishri. O ano judaico tinha 12 meses de 30 ou 29 dias alternadamente, o que perfazia um ano lunar de 354 dias, cerca de 11 dias e seis horas menos que o ano solar (365 dias, 5 horas, 48 minutos e 46 segundos).

Os dias eram compensados com o acréscimo de um mês intercalado trienalmente depois do último mês (ou cada 3, 6, 8, 11, 14, 17, e 19 anos de um ciclo de 19 anos). O acréscimo destes meses nos “anos bissextos” preservava a regularidade das colheitas e restaurava o ano solar. O calendário hebraico remonta ao “ano da Criação”, 3760 a.C., conforme calculo do rabino Jose Bem Halafta, cerca de 125 d.C.

MÊS HEBRAICOOs meses de Israel sempre começavam com a lua nova e eram anunciados pelo som de trombetas. No Israel antigo, eram chamados pela ordem numérica, e somente quatro tinham nomes: abide e zive, os primeiros dois meses da primavera, e etanim e bul, o sétimo e oitavo (os primeiros dois anos do outono).

O calendário na Babilônia, ou no período pós-exílico, abibe passou a ser nisã, e seis outros meses receberam o nome de sivã (3), elul (6), tishri (7), quisleu, sebate (11) e adar (12). Mais tarde, o Talmude fez as seguintes mudanças e acréscimos: iyar (2), tamuz (4), abe (5), marheshvã/heshvã (8), tebete (10). O mês intercalado foi chamado de adar II.

CALENDÁRIO HEBRAICO CORRESPONDENTE AO GREGORIANO

Nosso calendário é solar e é chamado “gregoriano” em homenagem ao papa Gregório que, em 1582, alterou o calendário Juliano estabelecido por Julio César em 45 a.C. A regulamentação gregoriana simplesmente cancelou o dia bissexto de cada ano centésimo, exceto para o quadringentésimo, a fim e deixar o ano Juliano doze minutos menor. 

Como o ano lunar é onze dias e seis horas mais curto que o solar, no nosso calendário a lua nova atrasa aquele período de tempo (ou adianta 19 dias) a cada ano, mudando continuamente a relação entre os meses hebraicos e gregorianos. Essa continua mudança pode ser observada na seguinte correlação dos meses para os anos 1983 – 1987. [2]

“Não há como traduzir com exatidão as datas hebraicas, ou seja, não temos como saber em que ano estamos”.

O CALENDÁRIO E A ERA CRISTÃ

Calendário e a “Era” é um acontecimento ou época que serve de partida a um sistema cronológico. A era cristã é a que teve início no ano do nascimento do Senhor Jesus Cristo. É comumente escrita em forma abreviada d.C. que significa “depois de Cristo”.

É também abreviada AD, do Latim “Anno Domini”, que significa “ano do Senhor”, em atenção ao ano do nascimento do Senhor Jesus Cristo. Para as datas antes do nascimento de Jesus usa-se a abreviatura “a.C.”, referente às palavras “antes de Cristo”.

Quando Jesus nasceu, o Império Romano dominava o mundo. Os romanos datavam seus acontecimentos tomando por base o ano da fundação se Roma, o ano 753 antes de Cristo. Para os romanos, esse ano o “AUC”. As iniciais “AUC” são das três palavras latinas “Anno Urbis Conditae” que significam “o ano em que a cidade foi fundada”.

A alusão é a cidade de Roma. A era romana começa pois em 1 AUC.

O CALENDÁRIO ROMANO Foi organizado em 753 a.C. por Rômulo, que, segundo a história, foi o primeiro rei de Roma, então cidade-reino. Reinou em 753-715 a.C. Tinha 10 meses de 30 dias e começava em março.

O sucessor de Rômulo, Numa Pompílio,  reforçou-o acrescentando-lhe dois meses, passando o ano a ter 355 dias.

O CALENDÁRIO JULIANOJulio César reformou o calendário romano em 46 a.C. através do seu astrônomo, Sosígenes de Alexandria. A partir de então, esse calendário passou a chamar-se JULIANO.

Sosígenes cometeu o erro de considerar o ano solar como tendo 365 dias e 6 horas, quando o mesmo tem 365 dias e 49 minutos. Esses minutos acumulados anualmente, desde o tempo de César, somaram 10 dias em 1582, o que motivou o Papa Gregório XIII a reformar  outra vez o calendário.

O CALENDÁRIO DE DIONÍSIOEm 526 dC o imperador romano do Oriente, Justiniano I, decidiu organizar um calendário original partindo do ano do nascimento de Jesus. A tarefa foi entregue ao abade dominicano Dionysios Exiguss, o qual fixou o ano 1 dC, isto é, o ano 1 da Era Cristã como sendo 753 AUC, cometendo um grave erro como mais tarde ficou comprovado.

Ele devia ter fixado o ano 1 dC cinco anos antes, isto é, em 749 AUC, e na 753. Seu erro foi, pois um atraso de cinco anos na fixação do ano 1 da Era Cristã. Uma vez concluído esse calendário, o mesmo passou a ser adotado em todo o mundo onde quer que o cristianismo propagasse.

Tempos depois, os doutos na matéria, encontraram erros no calendário de Dionísio. Davis, citando o historiador judeu Flávio Josefo, mostra que Herodes, o Grande, morreu em 750 AUC. Ora, afirmando a Bíblia que Herodes morreu depois do nascimento de Jesus, logo o calendário de Dionísio está errado ao afirmar que Jesus nasceu em 753 AUC.

Se Herodes morreu em 750, como é geralmente aceito, então Jesus nasceu em 749 AUC, isto é, quatro anos antes do ano I da Era Cristã, segundo o calendário de Dionísio. Note-se que de 753 a 749 há quatro anos, e não cinco anos como parece a primeira vista. Por causa dos meses que ultrapassam de quatro anos, conforme os estudos dos eruditos arredonda-se o número de anos para cinco, para facilidade de cálculo.

Eis ai a razão porque livros e publicações em geral afirmam que Jesus nasceu em 5 aC, isto é, 5 anos antes da Era cristã, o que é um contra-senso se não houver uma explicação. Como poderia Jesus nascer cinco anos antes do Seu nascimento?

A explicação foi dada acima. E, por qual razão perpetuou-se o erro, em vez de corrigi-lo? É que uma vez descoberto o erro (um atraso de cinco anos), sua correção no calendário acarretaria problemas seríssimos às pessoas e às atividades humanas.

Como se vê, o calendário de Dionísio dá o ano 1 dC, como sendo  o 753 AUC. Corrigido o erro, o ano 1 dC vem a ser 749 AUC. As datas atuais estão pois atrasadas cinco anos. Para termos datas exatas é preciso acrescentar 5 anos.

Calendário

Para termos datas exatas é preciso acrescentar 5 anos. Arredonda-se para cinco anos para facilidade de cálculo, sabendo-se, no entanto que são quatro anos e meses. Devido o erro de Dionísio não ter sido corrigido, a era cristã não começa no nascimento de Jesus, mas cinco anos antes. O ano 1 do calendário atual é na realidade o ano 5, porque Dionísio “engoliu” 5 anos.           

O CALENDÁRIO GREGORIANOEm 1582, o Papa Gregório, XIII aconselhado pelo astrônomo calabrês Lílio, alterou num ponto o calendário de Dionísio. Gregório tirou 10 dias do ano de 1582, ordenando que o dia 5 de outubro de 1582 passasse a ser 15 de outubro, a fim de corrigir a diferença de dias devido o acúmulo de minutos a partir de 46 aC, quando César reformou o calendário.

Por causa dessa pequena alteração, o calendário atual é denominado Gregoriano. A Grécia e a Turquia ainda observam o calendário Juliano o qual está 13 dias adiantado em relação ao nosso. Esse calendário aumenta um dia cada quatro anos.    Visite nosso Canal no Youtube-Clique aqui

CONCLUSÃO

Diante dessas alterações o que se pode concluir é que não sabemos exatamente em que ano, nem dia estamos. O mais provável é que estamos no ano 2021 e não em 2016. Nós seguimos um calendário, os judeus outro, o oriente outro, e o que dizer do  chinês, do Islâmico e vários outros presentes no mundo.

Creio que o próprio Deus permitiu esta confusão para focarmos mais nossa atenção no Seu amado Filho Jesus Cristo e não em dias, como por exemplo, no sábado. Jesus é nosso descanso e não o sábado como no Antigo Testamento.

 [1] Sistema baseado no sol e na lua

[2] American Jewish Year book, 1983.

 Inscreva-se no site para receber novos artigos

Inscreva-se, PENSAR BEM FAZ BEM por Email

Facebook Comments