O Salário do Pecado

O Salário do Pecado é a Morte – Romanos 6:23

O Salário do Pecado, palavras com pouco peso para leitores desapercebidos, mas, carregam em suas poucas letras uma reflexão profunda aos leitores atentos, não somente para entender o que está escrito, mas, estender o olhar além da leitura imediata para as implicações futuras na Vida, na Eternidade e no destino.

A palavra pecado na escrita Hebraica possui várias definições. Uma delas é חָטָא Chatá, cujo melhor entendimento é “errar o alvo” ou errar o caminho”. O homem foi criado para um propósito e um fim, isto é, viver nesta terra e representar Deus nela. Todavia, este homem abusou de sua liberdade, traçou um novo caminho rumo a um destino incerto, perigoso e desastroso, cujo fim é a morte, resultante de sua escolha.

Outra definição é a palavra  Awon (Iniquidade). Diferentemente da primeira, esta traz consigo uma carga maior de erro e desprezo, tanto pelo alvo, quanto pelo caminho. 

Iniquidade é errar o caminho e se sentir confortável nele, ou seja, o pecador peca sem o peso da culpa. Eis aí a gravidade da Iniquidade, haja vista, a falta de culpa elimina a possibilidade de arrependimento e, consequentemente, mudança de rumo que possibilita a retomada do caminho que leva a vida.

De posse do entendimento citado acima, podemos afirmar com pesar que a picada certeira da serpente na natureza humana, injetou o veneno do pecado e contaminou a alma, adoeceu e matou o corpo, e o ameaça com a “morte” eterna.

É uma situação muito grave porque o homem caminha em trevas, em total escuridão sem enxergar o caminho. É certo que o homem está perdido em seu mundo vazio e sem sentido, impossibilitado de prosseguir sem tropeços e quedas.

Sendo assim, seus pés cambaleantes somente se firmarão se uma luz iluminar seu caminho, os olhos cegos e a mente obscurecida pelo pecado. Esta Luz é refletida na Pessoa de Jesus Cristo, o Filho de Deus.

“Porque todos pecaram”, afirmou categoricamente o Apostolo Paulo – Romanos 3:23. Ele estava demasiadamente convicto que, ninguém escapa das garras afiadas e cruel do pecado. O pecado não respeita gênero, raça e cor de pele. Ele penetra e impregna as classes sociais, corrompe a sociedade e provoca caos. Esta é a triste realidade do homem que outrora vivia feliz e eternamente com seu Criador no Paraíso.

O Salário do Pecado
O Salário do Pecado

O Salário do pecado

O que melhor define a palavra Salário é a recompensa por um serviço prestado. Salário-recompensa são inseparáveis. Um trabalhador recebe seu contra-cheque como justa recompensa pelo mês trabalhado.

O problema repousa na origem da recompensa, ou seja, no pagador do salário. Deus criou o homem e o recompensou com o jardim no Paraíso. O diabo melou tudo ao enganar Eva, fez ela acreditar que a serpente maligna era a melhor opção, o Diabo seria um bom patrão e generoso.

Adão juntamente com sua esposa preferiram prestar seus serviços a Satanás, desde então, o humano passou a receber sua justa recompensa de um patrão imoral, sujo e mentiroso. Digo “justa” porque foi fruto de suas próprias escolhas. Deus não é injusto, toda desgraça humana é decorrente de suas decisões humanistas, ateístas e oriundas da justa paga pelo seu salário-recompensa. 

Morte da justiça

Estamos assistindo atônitos as decisões imorais dos 11 Ministros do STF. Decisão pós decisão referendada por todos ou monocraticamente. A justiça brasileira desmorona aos poucos diante dos nossos olhos e nos faz sentir impotentes ante a tanto “poder” concentrado.

Estamos presenciando uma ética reversa acompanhada da falência moral e da justiça chamada “suprema corte”. Escrevi com letras minúsculas porque “Supremo” só pode ser aplicado a quem realmente é Justo, e este não é o caso destes 11 togados corrompidos pelo sistema e presos nas garras daquele ao qual eles servem.

Caro amigo e irmão Leitor que está desesperançado assim como eu. Diante deste cenário horrendo e sombrio, em que parece emergir o mau levantando sua face obscura, nos parece que este buraco não tem fundo. Lá só nos permite olhar para cima e enxergar um faixo de luz que brilha distante e que está prestes a sucumbir na escuridão.

Nossa desesperança é real e com fundamentos. Muitas vezes ecoam o som na voz de alguns, “as coisas vão melhorar”, mas, como melhorar se os 11 ministros estão infectados pelo vírus do pecado e buscam elaborar Leis que atendem seus interesses pessoais e egoísmos radicais?

Nossa “suprema corte” está longe de Deus e seu patrão é Satan. Quem não serve a Deus serve ao Diabo e é orientado e guiado por ele. Lamento informar, caro amigo leitor! Nossa desesperança vai continuar, não espere dias melhores, haja vista, eles não somente erraram o caminho, mas, também se sentem confortável nele. E neste caminho há tristeza, injustiça e morte. O Salário do Pecado é a morte.

Morte da Moral

O pecado é algo perigoso, mas, quando ele é minimizado e estimulado, se torna mortal. O homem tende ao pecado, porém, existe um freio que é a Palavra de Deus. Todavia, a grosso modo, as leis humanas oriundas de juízes ateus ou satanistas corrompem a moral.

Apontamos novamente as nossas lentes para o STF já citado acima. Observem as leis referendadas naquela corte nos últimos anos e pasmem-se diante delas. Impunidade e estímulo a criminalidade, o juiz virou réu e o criminoso é ovacionado por sua “honestidade”.

Leis que libertam corruptos e prendem trabalhadores. Soltam traficantes e prendem jornalistas no exercício de suas profissões. Soma-se a isto as Leis que favorece a imoralidade sexual e a perversão moral.

Até a Filosofia tomou novos rumos, ela se caracteriza pela ruptura e desconstrução. Romperam com a Filosofia clássica de Sócrates, Platão e Aristóteles, cujo teor moral era apreciado e respeitado. E desconstruíram os valores judaicos cristãos.

“Chutaram Deus do Trono” e colocaram o homem no lugar. Construíram uma Filosofia humanista sem Deus.  Se não existe Deus, então, tudo é permitido, inclusive, libertinagem sexual, corrupção, aborto, etc. O fim da moral é o beijo da morte e a destruição da sociedade.

Morte da Sociedade

A família, desde os primórdios é a base da sociedade. A Filosofia maldita de Karl Marx, apresenta a família como uma instituição opressora e precisa ser desmontada para libertar o oprimido, mas, quem é o oprimido? Segundo Marx, o pai oprime o filho quando lhe ensina ou castiga, o marido é o opressor da mulher, ainda que haja respeito entre ambos (Grifo nosso).

Simplesmente pelo fato de a mulher lavar, passar e cozinhar ela é oprimida. Segundo Marx, somente a luta dos contrários e da desconstrução pode libertar uma sociedade. Então, o filho deve se rebelar contra os pais, a mulher contra o marido, o empregado contra o patrão, o aluno contra o professor, contra o governo, a polícia, etc. Eis aí a raiz do dilema!

Repara que a ação do pecado tem uma sequência destrutiva. Voltamos a lembrar que o pecado é errar o caminho. É como uma locomotiva fora dos trilhos, como um bêbado cambaleante, assim caminha uma sociedade imersa no pecado, sem Deus.

A família é uma instituição Divina, sem ela as bases da educação se desmoronam. Ao desmoronar, delega-se a terceiros o ensino e a instrução. Transfere para a escola a tarefa de educar e formar cidadãos para o convívio social.

Isto não teria implicações negativas se as escolas não tivessem sido aparelhadas com o marxismo, ou seja, expulsaram Deus das escolas. O ambiente acadêmico nas universidades, cujos professores são formados, também, “sem Deus”, retrata a desordem e o caos em que nos encontramos.

Diante deste cenário entendemos perfeitamente a atitude covarde e desumana dos políticos e juízes que criam as Leis e legislam sobre elas. A formação dos políticos, juízes e todos os profissionais que saem das escolas e Universidades, sem Deus, resultou numa sociedade fria, violenta, pervertida e sem amor ao próximo.

Morte Eterna

Só existe dois caminhos, um que leva a vida e o outro a morte. Errar o caminho é trilhar as pegadas inevitáveis da morte.

O pecado tem efeito cascata, o salmista nos alerta: “Um abismo chama outro abismo” Salmo 42:7. O pecado é real e um dia Deus vai se livrar dele. João 1:29

A palavra morte na Bíblia tem várias definições. Morte do corpo que perece ao voltar para o pó, a carne se desintegra e sobra os ossos. Porém, a alma que é imaterial e metafisica não morre, nem degrada ou decompõe. Exatamente por ser imaterial não pode ser aniquilada por nada ou ninguém, somente quem a Criou é que pode destruí-la, mas, Deus não a criou para demolir depois. 

Sendo assim, a alma é imortal e, ao se separar de Deus mergulha na morte eterna que é o fim do caminho. Jesus alertou sobre a realidade do inferno, cuja entrada nele é em decorrência da própria escolha do homem. Deus é amor e não condena ninguém ao inferno, o homem é que caminha para lá com as próprias pernas. 

Para refletir: O Salário do Pecado

Os céus e a terra tomo, hoje, por testemunhas contra ti, que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua semente,

Deuteronômio 30:19

Quer Aprender Hebraico Grátis?

Playlist com todas as aulas

O Salário do Pecado

1 comentário em “O Salário do Pecado é a Morte – Romanos 6:23”

  1. Boa informação , de acordo , no pentateuco, os sacerdotes tinham a responsabilidades de aplicar as leis de julgamentos, sem suborno ,serem imparciais com todos, a lei era para todos, não importa a posição social, um exemplo para este mundo injusto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.
%d blogueiros gostam disto: