Quebra de maldição

Quebra de Maldição – Movimento estranho e Antibíblico

Quebra de Maldição – Movimento estranho e Antibíblico

Este Artigo não tem a pretensão de discordar ou ofender sua fé, caro amigo leitor! Tampouco mostrar que sabemos mais. Nosso objetivo é aproximar novamente nossos leitores da Bíblia distanciada pelo movimento da quebra de maldição.


Quebra de maldição ou maldição hereditária foi um movimento que apareceu, cresceu e teve seu pico nos anos 90. Na época o grande Teólogo, pastor e escritor Paulo Romeiro denunciou e combateu com muita propriedade e autoridade

Por ser autoridade de grande respeito na área teológica e, principalmente, acadêmica. Por ser referência na vida pastoral e orientador da Igreja. Teve grande aceitação e êxito na sua jornada apologética na defesa da fé e da sã Doutrina.

Tal autoridade foi evidenciada pela grande tiragem e venda de um dos seus principais livros intitulado “Evangélicos em Crise”, que apresentarei com mais detalhes no decorrer deste Artigo.

Talvez, você caro amigo leitor! Deve estar se perguntando. Por que escrever sobre um tema que já foi debatido e decidido sobre a postura da Igreja diante de tal distanciamento da Bíblia? Haja vista, o escritor merecer todo respeito e crédito?

A resposta é simples. O Livro Evangélicos em Crise continua vivo e atual, sua leitura é tão recomendada quanto na sua primeira tiragem.

O problema é que tanto o Livro quanto seu autor caiu no esquecimento, os crentes esqueceram e o movimento da quebra de maldição está de volta para assombrar e colocar em risco a são Doutrina.

Por isto, caro amigo estudante da Palavra de Deus. Que gosta de estudar, que não é alienado e nem está preso numa bolha. Que pretende aprender para errar menos. Para você que se preocupa em fundar toda sua argumentação teológica na pessoa de Cristo, então, este Artigo é para você.

Este Artigo pretende resgatar e mostrar a dimensão da crise Evangélica apresentada por Paulo Romeiro. O reaparecimento e o crescimento da maldição hereditária. O erro teológico e maximização da eficácia do sacrifício de Cristo na Cruz.

Origem e crença do movimento

Este movimento foi importado dos Estados Unidos e traz consigo a crença de que, se as coisas dão erradas na vida, é porque herdamos de nossos pais uma maldição que pode ser financeira, saúde, casamento, relacionamento ou algum distúrbio mental ou deformação física e genética, etc.

O agravante de tal crença é que os pecados cometidos por nossos antepassados recaem sobre nós em forma de maldição hereditária. Então, devemos fazer orações ou campanhas para quebrar a tal indesejada força que nos assola e assombra.

Tal ato é impensado, haja vista, cada pessoa responder pelos seus próprios pecados e sofrer as consequências somente deles. Não somos culpados por pecados de outras pessoas, ainda que, elas sejam da nossa família.

Um dos textos bíblicos mais usados pelos pregadores da maldição hereditária para defender este ensino é:

“Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não as adorarás, nem lhes darás culto; porque eu sou o SENHOR teu Deus, Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos até à terceira e quarta geração daqueles que me aborrecem, e faço misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos”.

Faremos uma exposição a seguir para ver se tal crença se sustenta e resiste diante de uma análise mais acurada na apuração dos fatos.

Quebra de maldição por causa de doenças

É verdade que as doenças são uma maldição e herança do pecado de Adão. Duras palavras o primeiro homem teve que ouvir de seu Criador:

“Maldita é a terra por sua causa”

A maldição das enfermidades estendeu-se a toda humanidade. Todavia, a maldição foi quebrada na cruz. Trataremos sobre isto mais adiante, agora nos prenderemos apenas nas doenças originadas pelo próprio homem na sociedade moderna.

Repare que estas enfermidades não são de forma alguma oriundas de maldição e nem de ordem espiritual. Elas foram produzidas pelo próprio homem e não há oração que os façam escapar dos males produzidos por suas irresponsabilidades.

Má alimentação

Nada mata mais do que uma má alimentação. Hipócrates que é considerado o pai da medicina disse: “Que seja seu alimento o único remédio”.

Se você comer alimentos industrializados cheios de gorduras saturadas. Carnes gordurosas carregadas de colesterol LDL ruins. Comer carboidratos em excesso e ingerir alimentos açucarados. Não terá quebra de maldição que os livrará das enfermidades.

O açúcar é o alimento mais querido e, também o maior vilão da culinária e causador de vários cânceres e diabetes. E o que dizer dos agrotóxicos que contaminam e matam milhões de pessoas mundo afora?

É caro amigo leitor! Os argumentos são muito fortes e reais para serem ignorados. Qualquer pessoa que esteja imerso no ambiente citado acima pode fazer campanha de quebra de maldição dia e noite que estará apenas perdendo tempo.

Sedentarismo

Nosso corpo é uma máquina e como tal precisa de movimento para não emperrar as engrenagens. A falta de atividade física, a falta de movimento no corpo é um dos grandes vilões causadores de doenças.

Se meus pais foram sedentários e morreram em decorrência disto. Então, se eu levar uma vida sedentária poderei fazer campanhas de quebra de maldição dia e noite que não vai adiantar nada.

Local de convivência e trabalho

O local em que vivemos o ar que respiramos e o nível de estresse em que estamos submetidos. Tudo isto implica e influencia na qualidade de vida e determina a doença que podemos ter.

A fumaça que sai das chaminés das fábricas e dos escapamentos de veículos automotores oriundas da queima de combustíveis fósseis.  Provoca doenças respiratórias e mata milhões de seres humanos e animais expostos a este ambiente. 

Se eu trabalhar num serviço estafante e estressante, ou em trabalhos com exposição a produtos químicos e cancerígenos. Se a profissão que escolhi for insalubre. Então, poderei orar dia e noite para Deus quebrar a maldição do câncer que eu mesmo me expus a ele? No mínimo seria ilógico e irracional tal pedido.

Acidentes

Às vezes o avô morreu de acidente de carro e o pai também. Isto determinará meu destino? Terei meu fim trágico como o deles? Pode até ser, afinal, fatalidades acontecem.

Mas, o carro é um veiculo que precisa de manutenção periódica e preventiva. Existem leis estruturadas e bem estabelecidas para viajar em segurança.

Se eu ignorar e não fazer a manutenção no meu veiculo e não respeitar as leis de transito. Ainda que eu quebrar todas as maldições do mundo estarei exposto aos acidentes e, consequentemente, a morte.

Se meu pai foi um motorista negligente, escaparei da maldição sendo prudente.

Quebra de maldição por causa de problemas financeiros

Falta de dinheiro, problemas ou desemprego é maldição? Se a resposta é afirmativa, então, como explicar a vida destes grandes homens de Deus?

Paulo

O apóstolo querido passou fome, frio, nudez, foi chicoteado em praça pública, perseguido, humilhado, caluniado, injustiçado, sofreu naufrágios, foi preso e encarcerado algumas vezes injustamente.

Foi colocado em uma masmorra fria e escura no corredor da morte enquanto aguardava sua partida. Foi abandonado pela maioria dos amigos, e por fim, teve a cabeça decepada a mando do maligno Imperador de Roma Nero.

Vejam o relato do próprio Paulo:

“Três vezes fui espancado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, passei um dia e uma noite exposto à fúria do mar. Muitas vezes, passei por perigos em viagens, perigos em rios, perigos entre assaltantes, perigos entre meus próprios compatriotas, perigos entre os gentios, perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar, perigos entre falsos irmãos. Trabalhei arduamente; por diversas vezes, fiquei sem dormir, passei fome e sede, e, muitas vezes atravessei longos períodos em jejum; suportei frio e nudez”.

Alguém ousaria dizer que Paulo estava debaixo de maldição e precisava de campanha para quebrá-la? Qual de nós passou por problemas tão graves como o de Paulo para precisar de quebra de maldição?

João Batista

João Batista teve o privilégio de ser o precursor da vinda do Messias. Recebeu a nobre tarefa de preparar o caminho do Senhor Jesus.

João Batista era uma criatura bizarra que andava descalço no sol escaldante do deserto, usava roupas velhas esfarrapadas e comia gafanhotos para sobreviver:

“E João andava vestido de pêlos de camelo, e com um cinto de couro em redor de seus lombos, e comia gafanhotos e mel silvestre”.

Mesmo vivendo longe do luxo e da riqueza ele jamais orientou alguém fazer uma campanha de quebra de maldição, pelo contrário, sua mensagem era “arrependei-vos”.

Embora recebesse a nobre missão teve um fim trágico, foi primeiramente lançado no cárcere. Os presídios de Roma eram verdadeiras masmorras escuras e fedorentas, é o que nos conta a história. 

Depois, foi degolado e sua cabeça apresentada numa bandeja a pedido de Herodias, mulher traiçoeira e maligna.

“Porque Herodes tinha prendido João, e tinha-o maniatado e encerrado no cárcere, por causa de Herodias, mulher de seu irmão Filipe”;
E mandou degolar João no cárcere. E a sua cabeça foi trazida num prato, e dada à jovem, e ela a levou a sua mãe”.

Caro amigo leitor! Se problemas é motivo para fazer oração de quebra de maldição. Então, este homem tinha motivo de sobra para fazê-la, mas, não fez.

Pedro (Simão)

Filho de Jonas, irmão de André, pescador, natural de Betsaida

Foi o primeiro líder da Igreja cristã Atos 1:15;  Gálatas 2:9. Conta-se a história que ele foi crucificado de cabeça para baixo, não se achando digno de morrer como seu Senhor. Ano da sua morte 68 d.C.

Tiago (irmão de João)

Filho de Zebedeu e Salomé, pescador, natural de Betsaida. Morreu à espada por ordem de Herodes Agripa I, no ano de 44 d.C.  Atos 12:2

Tiago, o menor

Filho de Alfeu e Maria, irmão de Judas, natural da Galiléia.

Foi com muita ira que o lançaram do templo abaixo e começaram a apredejá-lo, visto não morrer logo que caiu no chão. Como se não bastasse, um lavandeiro bateu na sua cabeça com o pau que costumava bater roupa, vindo a falecer.

André

Filho de Jonas, irmão de Pedro, pescador, natural de Betsaida. Foi crucificado num madeiro em forma de “x” na cidade de Acaia na Província Romana.

Era missionário e pregador da Palavra de Deus.

Bartolomeu

Pregador da Palavra de Deus. Filho de Tolmai, natural de Caná da galileia. Foi esfolado vivo e crucificado de cabeça para baixo.

Tomé

Chamado Dídimo, natural da Galiléia. Conta-se a tradição que ele foi transpassado por uma fecha enquanto orava.

Mateus

Filho de Alfeu, cobrador de impostos, natural de Cafarnaum. Escreveu o Evangelho que leva seu nome. Morreu como um verdadeiro mártir na Etiópia.

Judas Tadeus

Filho de Alfeu e Maria, irmão de Tiago – o menor, natural da Galiléia. Segundo a tradição, foi martirizado na Pérsia.

Jesus

Nome sobre todos os nomes, Senhor dos senhores, Filho de Deus.

Nasceu, viveu e foi pobre, não tinha onde reclinar a cabeça:

Jesus lhe respondeu:

“As raposas têm suas tocas e as aves do céu têm seus ninhos, mas o Filho do homem não tem onde repousar a cabeça”.

Foi humilhado, cuspido e insultado. Foi chicoteado em praça pública e recebeu uma coroa de espinhos.  Foi julgado e mesmo sem culpa foi considerado culpado. E por fim, crucificado.

Alguém ousa dizer que Jesus tinha maldição hereditária?

Toda Maldição foi quebrada na cruz

O Senhor Jesus e nenhum de seus seguidores ensinou a “doutrina” da quebra de maldição. Quando foi questionado sobre o cego de nascença ele respondeu:

“Ao caminhar, Jesus viu um cego de nascença. E seus discípulos lhe perguntaram: “Rabi, quem pecou, este homem ou seus pais, para que nascesse cego? Jesus lhes respondeu: “Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi para que as obras de Deus fossem reveladas na vida dele”.

Toda maldição foi cravada na cruz, confira abaixo as palavras fortíssimas de Paulo:

”E, quando vós estáveis mortos nos pecados, e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas,
Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.
E, despojando os principados e potestades, os expôs publicamente e deles triunfou em si mesmo.”
Colossenses 2:13-15
Tweet

Paulo afirmou com muita propriedade que as coisas velhas passaram, não temos que pagar mais nada por elas. É um erro voltar ao passado para buscar maldições que não são nossas.

“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo”.

Deus nos abençoou com toda sorte de benção:

“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo”;

Paulo escreveu para os efésios e garantiu que Jesus ressuscitou e está acima de todo mal, inclusive, maldição. E também nos colocou na mesma posição, pois, ressuscitamos juntamente com ele.

Logo, a pergunta é obvia. Em posse destes versículos, ainda tem lugar para alguma maldição?

“Que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos, e pondo-o à sua direita nos céus, Acima de todo o principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo o nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro”;
”E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus”;

Ainda há espaço para dúvidas? Caro amigo leitor! Os versículos acima diz que Jesus está acima de todo mal. E se não bastasse, ainda nos fez ressuscitar juntamente com ele e nos colocou também acima de toda maldição.

O apóstolo Paulo estimula seus leitores a olhar para frente. Esqueça as coisas passadas:

“Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim”,

Jesus se fez maldição para nos livrar da maldição:

“Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro”;

Segundo Paulo Romeiro a conversão é a solução, ele afirma em seu livro:

“Ensinar que um cristão tem que romper com maldições ou pactos dos antepassados pedindo perdão por eles é minimizar o poder de Deus na conversão. Isso está mais para espiritismo ou mormonismo do que para o cristianismo”.
ROMEIRO, Paulo. Evangélicos em crise. Editora Mundo Cristão: São Paulo, 1995.
Tweet

Porque devemos rejeitar a Doutrina da quebra de maldição

Porque quem faz campanhas ou orações de quebra de maldição está minimizando a eficácia do sacrifício de Jesus na cruz do calvário.

Dizer sim a quebra de maldição é dizer não para as palavras finais de Jesus: “Está consumado”, ou seja, está completo, acabado. Não devemos mais nada para o diabo, nenhuma maldição há sobre nós.

Todos os grandes ministérios formados e guiados por Deus e dirigidos por pastores comprometidos com a Palavra de Deus rejeitaram tal doutrina, são eles: Ministério do Belém, São Bernardo do Campo, Taboão, Perus, Madureira e todos os demais oriundos destes.

Os Teólogos, escritores e apologistas mais respeitados no mundo rejeitaram tal doutrina, alguns deles: Paulo Romeiro, Augustus Nicodemus, Hernandes Dias Lopes, Paulo Fonseca, Elias Soares, John Macarthur e muitos outros nomes que são referencia para a Igreja de Cristo.

Ninguém pode amaldiçoar aquilo que Deus abençoou

Quando Balaque rei de Moabe estava em guerra com Israel, ele contratou o vidente Balaão para amaldiçoar ao povo hebreu.  E todas as vezes que ele tentou amaldiçoar Deus não o permitiu: 

“Pois contra Jacó não vale encantamento, nem adivinhação contra Israel…” Nm 23:23

Quando Noé ficou bêbado e deu aquele vexame, depois de acordar da sua embriaguez ficou irado com o filho Cam. Mas ao invés de amaldiçoar Cam ele amaldiçoou Canaã (neto). Ele não podia amaldiçoar Cam porque Deus havia abençoado eis a razão de ele amaldiçoar o neto e não o filho:

E abençoou Deus a Noé e a seus filhos, e disse-lhes: Frutificai e multiplicai-vos e enchei a terra. Gênesis 9:1

Precisamos voltar urgente para simplicidade do Evangelho, resgatar a Sã Doutrina e abandonar a Teologia estranha da quebra de maldição.

A quebra de maldição é uma artimanha satânica para desviar a verdadeira adoração que todo crente deve dirigir a Deus. Enquanto estamos ocupados com estas campanhas, estamos focados em nós e desviamos nosso culto do vertical para o horizontal.

Se problemas, falta de dinheiro e enfermidades. Se as mortes trágicas, humilhações, perseguições e sofrimentos são oriundos de maldição. Então, Jesus e seus seguidores foram todos malditos porque não fizeram nada para quebrar a maldição. Tal ato é impensável, embora sofrendo e morrendo, no entanto, foram muito abençoados.

Vejam a exposição de nomes na galeria dos heróis da Fé. Eles não alcançaram a promessa. Mas, também, não atribuíram a perda dela a nenhum tipo de maldição:

Todos estes morreram na fé, sem terem alcançado as promessas; mas tendo-as visto e saudado, de longe, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra.   Hebreus 11:13   

Leia outro Artigo de uma outra fonte na ótica de um dos maiores apologistas do Brasil, Pastor João Flávio Martinez

Professor: Adilson Cardoso – Teólogo, Filósofo

Visite Nosso Canal no Youtube

Muitas videoaulas de Hebraico para você aprender este belo Idioma.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.
%d blogueiros gostam disto: